Coaching Comunicação Pessoal PNL Profissional Vida em Geral

A Representação Do Que Nos Cerca e A Realidade Tênue

Quando você sente o cobertor macio da sua cama ao deitar-se, tem a representação dele transferida para sua mente pela sua pele em um conjunto de impulsos nervosos.

Quando você escuta aquela música preferida que arrepia a coluna,  seu ouvido está transformando o som em impulsos elétricos transmitidos também ao cérebro, que os interpreta e os armazena. O mesmo processo se dá ao abrir os olhos pela manhã e ver o teto do seu quarto ou o sol nascendo.

Isso acontece com qualquer estímulo ao seu corpo: um órgão de sentidos transforma a informação recebida em impulsos que são transmitidos para o cérebro que, por sua vez, cria representações daquele conjunto de impulsos elétricos e as armazena.

Ou seja, a realidade que nos cerca na verdade é uma representação criada pela mente.

Agora, imagine que nem todos os estímulos que chegam até nós alcançam o cérebro e são interpretados e armazenados.

De um sem número de estímulos potenciais que nos cercam, nosso corpo consegue interpretar uma fração deles e, ainda assim, lidar apenas com menos de uma dezena, simultaneamente.

Provar isso é mais do que fácil: se você está prestando atenção ao ler esse texto, provavelmente não está ouvindo a torneira que pinga, o carro que passa na rua e que buzina, uma música distante, o barulho do ar-condicionado ou até alguém chamando você. De uma forma análoga, vá ao shopping (lugar repleto de estímulos) e converse com alguém. Você provavelmente não ouvirá a música que toca ao fundo ou não verá o palhaço que passa à sua frente.

Para não ter uma representação incompleta da realidade, armazenar memórias coerentes e permitir que consigamos prestar atenção e focar em algo, a sua mente usa três recursos para preencher as lacunas. Na PNL, chamamos isso de filtros GOD (Generalização, Omissão e Distorção).

Generalização

Com a generalização, comparamos novas experiências com antigas e tendemos a armazená-las como situações idênticas. Um exemplo simples é a criança que consegue abrir a porta pela primeira vez e tentará abrir todas as demais portas do mesmo jeito ou a que foi mordida por um cão e, a partir dessa experiência, fica com medo de cães. Uma boa forma de detectar situações de generalização é reconhecer expressões como “sempre”, “toda vez”, “nunca” e afins. Elas são um ótimo indicador de que a pessoa que as usa generalizou para armazenar aquela memória.

Omissão

Trata-se do exemplo que dei anteriormente. Ao prestar atenção ou focar em algo, deixamos de ouvir sons, ver ou sentir coisas ao nosso redor.

Distorção

Usamos a distorção quando alteramos a percepção da realidade por algo diferente, muitas vezes, algo familiar. É quando achamos que um ponto marrom na parede é uma barata, quando vemos uma corda e achamos que é uma cobra, quando interpretamos equivocadamente alturas, distâncias, temperaturas ou quando de uma forma geral, confundimos sons e sabores.

Recomendo fortemente os TEDs do Dr. Donald Hoffman e do Dr. Anil Seth (este último ainda mais direto sobre como alucinamos e chamados de realidade!) sobre o tema de como a realidade é uma representação da mente (possui legendas em português).

“A realidade é meramente uma ilusão, apesar de ser uma bem persistente.”
Albert Einstein

Ainda na PNL, usamos o termo “alucinação” para definir a  visão particular de realidade e o termo “calibração” para a diferença entre realidade objetiva e a nossa “visão” do que é realidade, considerando toda a nossa subjetividade.

Diante das informações acima, perceba como isso afeta a comunicação e as relações interpessoais. Como estamos lidando diariamente, múltiplas vezes, com as alucinações (calibradas ou não) das pessoas que nos cercam. Veja como o nosso universo das coisas que são certas ou erradas muda completamente e como fica bem mais fácil compreender e aceitar o próximo.

“Mapa não é território.”
Primeiro pressuposto da PNL

Para promover a auto calibração é muito mais simples do que parece e não requer nada misterioso ou complexo: partindo do princípio de que generalizamos, distorcemos e omitimos como processo natural de reconhecimento da realidade e aprendizado, devemos parar de assumir as coisas, questionar mais e melhor e investigar para obter o quadro completo e próximo da realidade objetiva. Na PNL, chamamos isso de metamodelar ou metamodelo de linguagem.

Para finalizar, uma dica que ajuda bastante é ater-se a descrições baseadas no sensorial. Sim, isso mesmo! Perguntas como…

  • O que você viu? Descreva exatamente… (alto, baixo, claro, escuro, largo, fino, preto, branco, amarelo, etc.)
  • O que você ouviu? Descreva exatamente… (alto, baixo, estridente, com ou sem ritmo, melódico, etc.)
  • O que você sentiu? Descreva exatamente… (quente, frio, apertado, frouxo, doce, azedo, etc.)

… São bem úteis. Quanto mais a descrição se afastar de características sensoriais, maior a probabilidade de estar sendo influenciada pelos filtros GOD.

“A loucura de uma pessoa é a realidade de outra.”
Tim Burton