Coaching Motivação Pensamentos Com Vida Própria

A Origem do Famoso Gráfico de Venn do Ikigai

Você provavelmente já deve ter visto este gráfico por aí:

Ele tomou a Internet de assalto em 2014 e, desde então, virou uma febre em grupos de mensagens e nas mídias sociais… até os dias de hoje.

O diagrama tem sido a base para processos de coaching e tem ajudado milhares de pessoas ao redor do mundo a encontrar propósito em suas vidas.

O fato é que, apesar da sua origem ser diferente do que somos levados a crer e a relação com o Ikigai ser tênue, tais origens não invalidam a sua força, muito menos a sabedoria do próprio Ikigai.

Vamos às evidências.

Ao revisar um dos capítulos do meu livro que aborda propósito, fiquei incomodado por não encontrar uma relação direta entre o Ikigai e o conteúdo do gráfico e… após ler livros sobre o tema, percebi que o gráfico surge do nada.

Em 2011 um psicólogo espanhol chamado Andrés Zuzunaga criou o diagrama, que foi usado em 2012/2013 no livro “¿Qué harías si no tuvieras miedo?” de Borja Vilaseca.

Em contato com os administradores do site cosmograma.com em 20/12/2018, recebi rapidamente um email fornecendo mais detalhes como, por exemplo, esse post no Facebook de Andrés Zuzunaga, datado de 04 de junho de 2012, contendo o diagrama original.

Abaixo, você tem a aparição do diagrama (e o conceito dele) no livro de Borja Vilaseca.

Aparição original do gráfico de Venn sobre propósito, no livro de Borja Vilaseca(*)

Aparentemente, o empreendedor e palestrante Marc Winn usou a imagem e em 2014, inspirado pelo Ikigai, gerou uma versão do diagrama que nós conhecemos tão bem, explicando o conceito dele em um post no seu site. Ele inclusive conta a história da criação do gráfico em outro post.

Marc alega que usou inicialmente um gráfico sobre propósito e o conceito que Dan Buettner coloca em seu TED sobre Zonas Azuis. Entretanto, não há nenhuma menção aos elementos do gráfico no TED de Dan Buettner.

Foi, ao analisar os comentários do post original de Marc explicando a situação que cheguei ao livro de Borja Vilaseca.

Isso é uma garantia de que a origem é essa, de fato?

Dificilmente uma garantia, mas certamente uma evidência nesse sentido.

A lição aqui é:

Se algo faz sentido, não se torna automaticamente verdade.

Agora vamos refletir um pouco sobre o tema.

Alguém teve a curiosidade de pesquisar sobre o assunto para entender as coisas mais profundamente, o contexto e as repercussões, de algo tido como certo por anos…

A notícia boa é que o conhecimento gerado a partir dessa ligação de conceitos, mesmo que não tenha sido explicitada originalmente, parece ser positivo, tornando conhecida mundialmente a concepção do Ikigai. O gráfico não só faz sentido como é útil e aplicável.

Entretanto, ele não representa o Ikigai. O conceito que Borja Vilaseca traz em seu livro é uma coisa… o Ikigai, outra.

Aí, você percebe, pesquisando no Google, que empresas, treinamentos, materiais didáticos, palestras, publicações e um sem número de iniciativas surgiram a partir daí e… ninguém teve a curiosidade de ir atrás das origens da questão.

Mais uma vez… isso invalida a utilidade desse conhecimento?

Eu entendo que não.

Entretanto, não tenho tanta certeza se podemos chamar o gráfico de Ikigai.

Devemos sim agradecer a André Zuzunaga e Borja Vilaseca pelo conceito e, quem sabe, explorá-lo mais. Devemos estudar mais o Ikigai, que é uma filosofia de vida fantástica.

Podemos até agradecer a Marc Winn pelo seu post em 2014 que lançou tanto o conceito do Ikigai quanto o de Borja Vilaseca ao estrelato (mesmo que o próprio gráfico e sua abordagem tenham surgido e sido explicados cerca de um ano antes).

Será que saber disso muda alguma coisa?

Para mim, houve uma mudança. Honrarei em meu livro o que parece ser a fonte correta da informação e do conhecimento.

O gráfico em si? Continua tão importante, mas agora temos evidências de sua origem e os argumentos por trás dele.

E você? O que aprendeu ou conclui com isso? Muda algo pra você?


Leitura recomendada:

  • ¿Qué harías si no tuvieras miedo?“, de Borja Vilaseca
  • Ikigai: Os Cinco Passos Para Encontrar Seu propósito de Vida e Ser Mais Feliz, de Ken Mogi
  • Ikigai: Os Segredos dos Japoneses Para Uma Vida Longa e Feliz, de Héctor García e Francesc Miralles

Atualização 20/12/2018 19:14 -0300GMT: Os administradores do site cosmograma.com responderam à minha solicitação de maiores informações, com um post de Andrés Zuzunaga no Facebook datando de 2012 com o diagrama original.

(*) Eu não achei o livro físico. Entretanto, comprei-o no Kindle, de onde retiro a imagem para fins puramente didáticos e ilustrativos dos argumentos aqui presentes, de boa fé. Caso a forma como está sendo apresentado de alguma maneira infrinja direitos reservados, de cópia ou quaisquer outros, basta entrar em contato para que eu remova a imagem.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.